O poço de mar

Carregava-a consigo, funda como um poço pleno e turvo

Com ondas como as do mar, mas que quebravam pro fundo

Exibindo sua superfície calma e berço de vida.

Mas, talvez por inveja, o poço quis ter mais água que o mar

E quem a visse diria que seria capaz de jorrar por toda uma vida

Sem que uma única lágrima lhe faltasse.

Mas não a viram, e por fim se afogou. Enfim.

Anúncios
Esse post foi publicado em Comportamento. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s