Dia do Índio

No meu sangue tem muito de terra, de pé no chão, de banho de rio, de pesca e de caça. Meu sangue tem muito de índio, mesmo que eu nunca tenha vivido em oca. Descendente de índio, negro e branco. Cabocla, mestiça, criola. Em meus olhos puxados como os dos meus ancestrais indígenas, levo a única marca visível da minha herança. Em minha alma levo o amor pelo simples, o respeito pela Natureza, o medo do desconhecido, a crença em espíritos, a amizade com os bichos, a admiração pelas crianças e a aceitação do corpo e da nudez. E nesse Dia do Índio, que infelizmente só é lembrado no Ensino Fundamental I, logo que entramos na escola, e visto como um dia bonitinho, eu sinto a dor da submissão e o desespero das tribos que foram humilhadas, exploradas, violentadas e por fim dizimadas. E no meu coração brasileiro bate a esperança de que o tão adorado progresso não termine de atropelar o que, por mais distante que pareça, é também o que eu sou.
Anúncios
Esse post foi publicado em Comportamento. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s